CONTRAMOLDE

  M/12 . '50 minutos

criação e direção:

Guilherme de Sousa & Pedro Azevedo 

 

Interpretação:

Guilherme de Sousa

concepção/ execução plástica:

Pedro Azevedo 

consultoria artística e olhar exterior:

Mara Andrade 

construção de molde:

Pedro Azevedo e Telma Pereira 

olhar exterior:

Raquel S.

produção executiva:

BLUFF

produção:

Palcos Instáveis/ Companhia Instável /Teatro Municipal do Porto

Um contramolde é a reprodução da forma de um organismo soterrado e destruído, obtida preenchendo-se com material diverso o espaço que ele antes ocupava.

O projeto trabalha a partir das diferentes camadas de uma só personagem, ou de uma personagem só, se falarmos em “só” como adjetivo. A apatia torna-se personalidade e a impaciência está em ponto rebuçado, consolada com hábitos que restam de tempos saudosos.

“Contramolde” convoca a solidão, o esquecimento, a monotonia dos dias (todos) tristes e de como estes nos conduzem ao silêncio, sob um estado de espírito indiferente à longevidade. É sobre conviver com isso ou deixar-se destruir. 

After all I am alive only by accident.